Campo Grande / MS Terça-feira, 15 de Outubro de 2019

Escolha sua cidade

Campo Grande Água Clara Alcinópolis Amambai Anastácio Anaurilândia Angélica Antônio João Aparecida do Taboado Aquidauana Aral Moreira Bandeirantes Bataguassu Batayporã Bela Vista Bodoquena Bonito Brasilândia Caarapó Camapuã Caracol Cassilândia Chapadão do Sul Corguinho Coronel Sapucaia Corumbá Costa Rica Coxim Deodápolis Dois Irmão do Buriti Douradina Dourados Eldorado Fátima do Sul Figueirão Glória de Dourados Guia Lopes da Laguna Iguatemi Inocência Itaporã Itaquiraí Ivinhema Japorã Jaraguari Jardim Jateí Juti Ladário Laguna Carapã Maracaju Miranda Mundo Novo Naviraí Nioaque Nova Alvorada do Sul Nova Andradina Novo Horizonte do Sul Paraíso das Águas Paranaíba Paranhos Pedro Gomes Ponta Porã Porto Murtinho Ribas do Rio Pardo Rio Brilhante Rio Negro Rio Verde de Mato Grosso Rochedo Santa Rita do Pardo São Gabriel do Oeste Selvíria Sete Quedas Sidrolândia Sonora Tacuru Taquarussu Terenos Três Lagoas Vicentina

Notícias / Tecnologia

08.10.2019 às 09:17

Cientistas conseguiram inserir memórias artificiais em um pássaro

Redação Fatos Desconhecidos

Apesar de, inicialmente, parecer algo trazido diretamente do enredo de um filme de ficção científica, cientistas conseguiram codificar "falsas memórias", em forma de música, no cérebro de pássaros. Os responsáveis por isso foram os cientistas do Southwestern Medical Center, da Universidade do Texas, nos Estados Unidos.

Através de uma técnica conhecida como optognética, que combina luz, genética e bioengenharia para controlar neurônios vivos, que foram geneticamente modificados para serem sensíveis à luz, eles ensinaram as novas informações aos pássaros conhecidos como mandarim (Taeniopygia guttata).

Tais informações serviram para que eles reproduzissem sons que nunca haviam aprendido anteriormente. O estudo foi publicado na revista científica Science. A espécie, envolvida no estudo, que é nativa da Austrália, é muito conhecida por seu canto. Em suma, essas aves costumam aprender "as músicas" ao ouvir e imitar seus pais.

Dessa forma, o método utilizado pelos cientistas permitiu que as aves cantassem músicas que eles nunca tinham ouvido antes. Em outras palavras, o que eles fizeram foi manipular regiões do cérebro dessas aves intimamente ligadas ao aprendizado da experiência auditiva.

Assim, eles descobriram que se tal região fosse estimulada, as aves reproduziriam sílabas do canto da espécie que elas ainda não haviam aprendido.

"É a primeira vez que confirmamos regiões cerebrais, que codificam memórias de objetivos comportamentais - aquelas que nos guiam quando queremos imitar qualquer coisa, da fala ao aprendizado ao piano", disse o neurocientista, Todd Roberts, em um comunicado. "As descobertas nos permitiram implantar essas memórias nos pássaros e orientar o aprendizado de seu canto".

Comentários
informe o texto a ser procurado
Voltar ao topo