Campo Grande / MS Terça-feira, 17 de Setembro de 2019

Escolha sua cidade

Campo Grande Água Clara Alcinópolis Amambai Anastácio Anaurilândia Angélica Antônio João Aparecida do Taboado Aquidauana Aral Moreira Bandeirantes Bataguassu Batayporã Bela Vista Bodoquena Bonito Brasilândia Caarapó Camapuã Caracol Cassilândia Chapadão do Sul Corguinho Coronel Sapucaia Corumbá Costa Rica Coxim Deodápolis Dois Irmão do Buriti Douradina Dourados Eldorado Fátima do Sul Figueirão Glória de Dourados Guia Lopes da Laguna Iguatemi Inocência Itaporã Itaquiraí Ivinhema Japorã Jaraguari Jardim Jateí Juti Ladário Laguna Carapã Maracaju Miranda Mundo Novo Naviraí Nioaque Nova Alvorada do Sul Nova Andradina Novo Horizonte do Sul Paraíso das Águas Paranaíba Paranhos Pedro Gomes Ponta Porã Porto Murtinho Ribas do Rio Pardo Rio Brilhante Rio Negro Rio Verde de Mato Grosso Rochedo Santa Rita do Pardo São Gabriel do Oeste Selvíria Sete Quedas Sidrolândia Sonora Tacuru Taquarussu Terenos Três Lagoas Vicentina

Notícias / Polícia

10.09.2019 às 09:51 - Atualizada em 10.09.2019 às 11:00

Menina de 5 anos com paralisia cerebral morre após ser estuprada

Suspeito do crime, filho do padrasto da vítima, foi preso.

Redação

Uma menina de 5 anos morreu após ser estuprada em Santa Maria, no Rio Grande do Sul. A criança, que tinha paralisia cerebral, ainda foi socorrida pela mãe para o Hospital Universitário, no sábado (7), mas não resistiu aos ferimentos. 
 

De acordo com a polícia, um suspeito de 18 anos foi preso e confessou o crime. Ele já teve prisão preventiva decretada por estupro de vulnerável e está na Penitenciária Estadual De Santa Maria. 
 

O suspeito era filho do padrasto da criança e morava na mesma casa que ela. Ele contou à polícia que a estuprou em um quarto, mas afirma que ela estava respirando quando ele saiu.
 

A delegada Roberta Trevisan contou ao Uol que o abuso aconteceu no berço dentro do quarto em que estavam ainda o padrasto e a mãe da menina, que dormiam e negam ter ouvido algo. Por volta de 5h, o padrasto diz que levantou para ir ao banheiro e notou que a criança estava roxa e respirava de maneira fraca. Foi quando ele chamou a mulher e foram para o hospital. 
 

A versão é questionada pela polícia. "É impossível que ninguém tenha ouvido nada, até pela extensão dos ferimentos", diz a delegada Roberta Trevisan.
 

Na casa, que a delegada afirma ser pequena, estavam oito pessoas, incluindo a vítima. Para ela, os pais podem responder por omissão. O inquérito ainda não foi concluído. 
 

A causa da morte ainda será definida por laudos da perícia


Comentários
informe o texto a ser procurado
Voltar ao topo